Marcadores

TIRAS (605) HQ (146) INSPETOR (126) RESENHAS (111) CARTUM (41) LEITMOTIV (19) LEXY DRIVER (19) CONTOS (15) CINEMA (12) LEXY COMICS (6) TEATRO (6) PORTFÓLIO (4) ROTEIROS (4) ARTES PLÁSTICAS (3) FOTOS (2)

BOTÕES DE COMPRA

Comprar VIDA DE INSPETOR
Comprar LEITMOTIV

sábado, 17 de maio de 2014

BATMAN STEAMPUNK


Leia aqui meu texto sobre as versões mais famosas do Batman Steampunk:


BATMAN STEAMPUNK

“Steampunk”. Essa palavra pode ser desconhecida para os não iniciados no universo da ficção científica e fantasia. Ela se refere à, basicamente, uma mistura do visual da era vitoriana (séc XIX) com robôs, computadores e outros apetrechos futurísticos.
Muitos desenhistas tem feito ultimamente versões steampunks de personagens conhecidos. Uma reinterpretação deles com um visual do gênero. Até o Batman já ganhou uma releitura do tipo, tenho certeza que o leitor já deve ter visto. Mas o que pouca gente sabe é que o Homem Morcego já teve histórias Steampunk produzidas antes mesmo que o termo e o gênero entrassem em “moda”. Vamos à elas:

GOTHAN CITY 1889.
Escrita por Brian Augustin, com desenhos de Mike Mignola, e arte final de P. Craig Russel, esta história foi uma das primeiras do selo “Elseworlds”, da DC, onde seus personagens eram reinventados em outras situações, dimensões, épocas, o que desse na telha dos escritores. Assim, em 1989, nas comemorações do 50º aniversário do personagem, foi feita esta que é uma das melhores histórias do Batman, onde o Cavaleiro das Trevas começa suas ações no final do séc XIX, mas exatamente em 1889. A história segue o estilo do “Batman Ano Um”, do Frank Miller. Bruce Wayne chega em Gothan após seus anos de treinamento na Europa, e se torna o Batman para vingar a morte dos pais, e trazer justiça à cidade. Ao mesmo tempo, Jack, o Estripador, começa a atacar as prostitutas da cidade. A população fica em pânico, e alguns começa a achar que o próprio “Bat-man”(como é chamado pela mídia da época) seja o estripador.
Uma dia, a polícia de Gothan recebe uma carta anônima dizendo que Bruce Wayne é o estripador. Ao realizar uma busca em sua mansão, eles encontram a arma do assassino nos pertences do milionário, e ele vai preso. Agora, mesmo na prisão, ele precisa descobrir quem é Jack, antes de ser enforcado pelos crimes que não cometeu.
Com uma arte maravilhosa do Mignola (que mais tarde ficaria famoso como criador do Hellboy), o texto é meticulosamente lento, dando a ênfase perfeita pra uma história de suspense na linha de Conan Doyle ou Allan Poe que o tipo de aventura pede.

O MESTRE DO FUTURO
3 anos depois, foi feita uma continuação. Ou melhor, uma outra história que se passa no mesmo “universo”. Afinal, não há mais a ameaça do estripador, e muita coisa mudou, mas ainda se passa na mesma época, e alguns eventos da história original são mencionadas. Escrita pelo mesmo Augustin, mas com arte de Eduardo Barreto. A história decepciona quem estiver procurando pelo mesmo estilo e clima da anterior. Se antes tivemos uma história de suspense, agora, o estilo muda completamente. Talvez uma nova comparação literária seria Jules Verne.
Meses depois do fim da aventura anterior, Bruce Wayne está namorando, e pensando seriamente se deve ou não continuar agindo como Batman. Gothan City está preparando uma feira mundial, para celebrar a entrada no novo século. É quando surge o vilão que se auto intitula “O Mestre do Futuro”. Ele diz que a feira não deve continuar, pois ele veio do futuro, e viu que essa feira é apenas o início de um mal que cairá sobre a cidade, e seus cidadãos. O prefeito decide ignorar o aviso, e dá continuidade aos eventos, quando o “Mestre” começa então à atacar o local com uma arma que usa os raios solares pra criar uma espécie de “laser”, por falta de um termo melhor. Esse raio ataca várias casas da região. Agora, mesmo em dúvidas, Bruce decide voltar a agir como Batman ao menos para combater esse vilão.
Uma história que não tem nem o clima, nem o estilo da anterior, como já mencionado. É tão diferente que se não fossem os personagens citados, e o mesmo autor, poderia se dizer que se trata de uma obra sem ligação alguma com ela. Por isso,pode ser uma grande decepção pra quem espera por algo parecido com Gothan City 1889. Mas, sabendo que se trata de outra história, e quem gosta do estilo dos escritores de ficção do Séc XIX, dá pra se divertir bastante com esta história. Vendo hoje, ela é bem parecida com o que Alan Moore empregou na primeira mini série da Liga Extraordinária.

BATMAN & HOUDINI: A OFICINA DO DIABO
Esta, apesar de ainda apresentar um Batman Steampunk, diferente das outras citadas acima, não tem ligação com elas. É uma nova e independente história. Agora, Bruce Wayne vive em 1907. Assim como em “Ano Um”, ele está voltando à Gothan ao mesmo tempo em que o ilusionista Henry Houdini está em turnê pela cidade.
Narrado pelo mágico, a história mostra o surgimento do Batman enquanto o rapto e assassinato de crianças que são sequestradas por um sujeito albino que passa o tempo todo sorrindo. Mas há algo mais sórdido por trás desses raptos. Algo até sobrenatural. Mas o bom da história é que ela é contada de forma discreta, quase episódica, com um fato levando á outro, e a narrativa vai crescendo aos poucos.
Escrita por Howard Chaykin (que foi, na minha opinião, “O Garth Ennis dos anos 80”, e depois deu uma bela sumida, e perdeu um pouco da sua força criativa com o passar dos anos), em parceria com John Francis Moore, e arte pintada de Mark Chiarello, essa história é tão interessante quando a primeira citada. Mistério e drama em doses iguais. Só que com um pouco mais de aventura, como nos pulps.

São três histórias que valem a pena serem lidas. Com certeza, o leitor que se aventurar pelos sebos em busca dessas revistas, não vai se arrepender.



Nenhum comentário:

Postar um comentário