Marcadores

TIRAS (599) HQ (143) INSPETOR (126) RESENHAS (111) CARTUM (39) LEITMOTIV (19) LEXY DRIVER (19) CONTOS (15) CINEMA (12) TEATRO (6) LEXY COMICS (5) ROTEIROS (4) ARTES PLÁSTICAS (3) FOTOS (2) PORTFÓLIO (2)

BOTÕES DE COMPRA

Comprar VIDA DE INSPETOR
Comprar LEITMOTIV

sexta-feira, 9 de maio de 2014

NAÇÃO FORA DA LEI


Uma grande história de violência no coração da América. Leia sobre esta saga aqui:


NAÇÃO FORA DA LEI

Uma das melhores publicações lançadas no Brasil no ano passado, NAÇÃO FORA DA LEI, recentemente publicada aqui no Brasil pela Gal Editora é uma das histórias mais estranhas e ao mesmo tempo mais legais escritas por Jamie Delano. Um show de personagens muito bem caracterizados, cenas com o suspense e um absurdo humor negro dosadas na medida certa, violência explícita, ótimos diálogos, enfim, tudo o que se espera de uma boa história que prende o leitor está aqui. Mais conhecido no Brasil por ter escrito as primeiras edições da revista Hellblazer, onde vive o bruxo inglês John Constantine, ele já teve outros trabalhos publicados em nosso país, mas é mais lembrado pelas histórias do mago.
Este NAÇÃO FORA DA LEI é uma das obras que ele publicou no selo Vertigo, da DC Comics, mas depois foi republicada por outra editora. A revista, que possuiu 19 edições publicadas lá fora, não era pra ser uma mini-série, mas uma serie mensal nos moldes de Preacher, 100 Balas, e outras do selo. Mas a editora resolveu cancelar a revista, e ficaram apenas essas edições. Talvez, o motivo do cancelamento seja o estilo que Delano aplicou na história. Em entrevistas, ele deixou claro que sua proposta foi não ter um “grande objetivo” com a revista, e sim, ir escrevendo conforme sentisse vontade, deixando a própria história se levar. Lendo, passa a impressão de que realmente falta algo, e que esse estilo é um pouco estranho. Demora-se um pouco pra apreciar essa “esquisitice” como sendo o estilo da saga. Mas depois de se familiarizar com isso, é que o leitor passa a viver no mesmo mundo dos personagens. Um mundo sujo e pervertido, uma América que ainda vive sob os mesmos valores retrógrados de uma sociedade que parece ainda estar no velho oeste.
A história começa mostrando STORY JOHNSON, um escritor que se perdeu no Vietnã, durante a guerra. Anos depois, ele reaparece nos EUA, desmemoriado, e em busca de algo. Esse algo é o mote da história, que o leitor vai descobrindo aos poucos. A única coisa que ele faz é procurar por sua família. Essa família é composta de vários membros que, aparentemente, são imortais. E além disso, vários integrantes estão sendo mortos. Ao mesmo tempo, seu irmão, que achava que ele havia morrido na guerra, quer encontrá-lo e matá-lo.
Acrescente a isso personagens que podem ter saído dos livros escritos por Story, ou que inspiraram ele, e uma conspiração que envolve os poderes americanos, e uma violência explícita cheia de realismo e sadismo, e com um toque de humor negro à la Preacher, e você terá a ideia exata de como é esta HQ.
Aliás, falando em Preacher, em muitos momentos, ela lembra a obra de Garth Ennis. À primeira vista, parece que é só uma “ilusão” causada pelo fato de ambas terem um jeito “Road movie” de contar a história, mas NAÇÃO também é carregada no humor negro. E o próprio estilo de criar diálogos está bem “solto” e natural, lembrando muito pouco o Delano da época do Hellblazer. Mas esse “novo” Delano não é nem um pouco ruim, pelo contrário. Ele consegue se sair muito bem nessa experimentação, apresentando um trabalho que consegue superar muitos escritores do selo Vertigo.
O único “defeito” que encontrei enquanto lia, que nem é um defeito, mas faz parte desse estilo de experimentação, é a “lacuna” entre uma edição e outra. Para quem entende de dramaturgia, isso é a chamada “elipse”, o espaço de tempo entre um momento e outro da narrativa, onde não é mostrado o que acontece, mas o leito supõe o que ouve por motivos até meio óbvios. Pois o escritor faz com que, entre uma edição e outra, pareça que perdemos muito dos acontecimentos. No começo, é estranho. Quando se lê a edição seguinte, parece que “pulamos” algum capítulo. Confesso que demorei pra entender esse recurso. Mas quando entendi, passei a gostar. Deixa a HQ com uma “cara” de seriado de TV.
E quanto aos desenhos? Quem conhece a dupla Goran Parlov e Goran Sudzuka das histórias do Justiceiro Max, e Y – O Último Homem sabe que ambos são competentes, e tem um belo traço. Neste trabalho, mais antigo que os citados, eles estão bem parecidos um com o outro. O traço realista, mas limpo, e com um domínio perfeito da narrativa consegue fazer o leitor penetrar dentro do clima da história. E quando digo clima, estou dizendo o calor que o meio oeste americano deve possuir. Sim, você se sente como se estivesse realmente por lá.
E o lançamento no Brasil contou com a presença do autor, que esteve dando autógrafos e palestrando durante a Fest Comix do ano passado. Eu estive lá, e garanti meu exemplar autografado. A edição da Gal possui 11 capítulos do original, e o próximo terá os 8 restantes. Mas apesar de a história ser toda em sequência, como uma mini-série, o fim da primeira edição passa a impressão de fechar um “arco” da saga. Agora, é aguardar a conclusão da série, com o livro RUMO AO INFERNO, que será lançado em breve.

Nenhum comentário:

Postar um comentário