Marcadores

TIRAS (604) HQ (146) INSPETOR (126) RESENHAS (111) CARTUM (41) LEITMOTIV (19) LEXY DRIVER (19) CONTOS (15) CINEMA (12) LEXY COMICS (6) TEATRO (6) PORTFÓLIO (4) ROTEIROS (4) ARTES PLÁSTICAS (3) FOTOS (2)

BOTÕES DE COMPRA

Comprar VIDA DE INSPETOR
Comprar LEITMOTIV

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

REINO DOS MALDITOS



Uma história de fantasia para adultos, cheia de elementos trágicos e dramáticos. Leia minha crítica aqui:


REINO DOS MALDITOS
Christopher Grahame é um dos autores de livros infanto-juvenis mais famosos da atualidade. Ele criou um universo literário que vende muitos livros. Mas a fama tem um preço: ele precisa escrever mai um livro. E anda com crise criativa. Pra piorar, a tensão dessa crise o faz ter desmaios de vez em quando. Mas não são apenas desmaios. Cada vez que ele “apaga”, vai parar dentro do universo de Castrovalva, o país que ele mesmo criou par seus livros. País este habitado pelos seres que compõe suas histórias. E que são baseados em suas memórias de imaginações infantis.
Mas as coisas não são bonitas em Castrovalva. Ao contrário do mundinho colorido de seus livros, o país que ele visita em seus desmaios é dominado por um déspota. E, segundo seus amigos desse mundo, o tirano vilão começou a tomar o lugar, e a massacrar seus habitantes exatamente quando Chris deixou de frequentar o lugar. Mas, afinal, esse lugar era apenas criação da imaginação fértil de uma criança. Criança essa que, quando adulto, resolveu transformar tudo em um livro. Como pode esse universo ser real? E como Christopher pode salvar um mundo imaginário? Ou: será que isso tudo é mesmo apenas um mundo imaginário?
Essa é a trama básica de REINO DOS MALDITOS, uma ótima HQ escrita por Ian Edginton, e desenhada por D’Israeli. Ambos pouco conhecidos por aqui. Essa edição foi lançada no Brasil pela “finada” Pixel Media, editora que, durante poucos anos da década passada, parecia interessada em ser a casa das hq’s adultas, publicando muita coisa dos selos Vertigo e Wildstorm.
REINO DOS MALDITOS foi publicada aqui em 2006, e é uma das melhores obras que essa editora trouxe pra nós, leitores brasileiros. Publicada originalmente pela Dark Horse como mini série em 1996, a história prima por um estilo diferente do que estamos acostumados em quadrinhos americanos, mesmo nas obras autorais. Mais parece uma HQ europeia. O traço faz o leitor achar que realmente é uma HQ do velho mundo, mas o ritmo da história é o que mais lembra os álbuns europeus.
Ian Edginton consegue criar uma história que mistura gêneros de forma super competente. Quando a história mostra o universo de Castrovalva das lembranças da infância de Christopher, ou cenas de seus livros, tudo é bem lúdico, como se espera dos  livros clássicos de fantasia infantis. Quando a história transcorre no mundo real, com o autor tendo seus ataques e desmaios, indo ao médico, e fazendo tratamento até descobrir o que realmente está causando seu problema, tudo e bem realista. Como em hq’s da Vertigo, pra citar algo próximo do estilo. E há ainda uma terceira linha narrativa, que é quando Chris “entra” na Castrovalva atual, destruída por uma guerra civil sem fim, dominada por mão de ferro por um vilão qu tem ligações particulares com Christopher. E motivos ainda mais particulares.
Nesses momentos, pode-se imaginar que a história ganharia ares “Tim Burtonescos”, mas nada disso. Apesar de aparentemente a temática ser parecida com os filmes desse diretor, aqui temos um mundo ainda mais realista e cruel. Mesmo ursos de pelúcia falantes  não aparentam ser nada fofinhos. Eles estão lutando em uma guerra. Estão cansados, e envelhecidos. Todos os personagens desse mundo desolado são frios e tristes. Eles sabem que Grahame pode ser sua salvação, mas estão desiludidos. Esse é o charme dessa HQ. Até mesmo Neil Gaiman parece infantil perto dessa obra.
E esse é o grande trunfo dessa edição. Edginton não faz uma história fácil, no sentido de mostrar algo bonito. Mesmo sendo uma história de fantasia, com elementos de contos infantis, tudo é tratado com a frieza da razão. Será que Castrovalva existe mesmo? O autor não usa isso pra concluir com uma explicação à lá sessão da tarde. Mesmo que ele deixe o leitor decidir acreditar em mundos fantasiosos ou não, ainda assim ele aponta uma crença racional.
Pode não ser a “HQ indispensável na estante de todo leitor”, mas com certeza, quem lê-la não irá se arrepender!

Nenhum comentário:

Postar um comentário