Marcadores

TIRAS (599) HQ (143) INSPETOR (126) RESENHAS (111) CARTUM (39) LEITMOTIV (19) LEXY DRIVER (19) CONTOS (15) CINEMA (12) TEATRO (6) LEXY COMICS (5) ROTEIROS (4) ARTES PLÁSTICAS (3) FOTOS (2) PORTFÓLIO (2)

BOTÕES DE COMPRA

Comprar VIDA DE INSPETOR
Comprar LEITMOTIV

quarta-feira, 23 de abril de 2014

FADE OUT - SUICÍDIO SEM DOR


Uma das hqs independentes mais bem escritas que li. Leia minha crítica aqui:


FADE OUT – SUICÍDIO SEM DOR
Um dos contemplados com o Proac 2011, esta HQ é uma grata surpresa pela narrativa que foge do que se vê na maioria das hq’s atuais.

Atualmente, muitas hq’s estão sendo lançadas, mas a maioria é feita de histórias que, apesar de excelentes, não fogem muito do habitual. Esta FADE OUT – SUICÍDIO SEM DOR se diferencia justamente por isso. Aqui, o leitor vai encontrar uma história diferente da maioria. Tanto no tipo de história, quanto na forma como ela é narrada. Será que é porquê o roteiro era pra ser de um filme, e que foi adaptado pra HQ? Talvez, sim. Mas ficar imaginando isso como razão é desmerecer um pouco a linguagem dos quadrinhos como meio artístico. Afinal, esta revista é ótima em muitos aspectos que são exclusivos da linguagem da nona arte.
FADE OUT é um termo técnico cinematográfico que significa o desaparecimento da imagem de forma lenta, indo para o escurecimento. Um título que se ajustaria melhor para um filme, ao fazer uma analogia ao suicídio do personagem. Mas que, como quadrinho, fica interessante por si só. Na primeira página, vemos Kurt, o personagem principal, em uma banheira, cheia de sangue. Ele acabou de morrer. Ou, como ele mesmo diz, “finalmente, eu conseguir morrer.” Em seguida, a história retrocede para os acontecimentos antes de sua morte. Não dá pra precisar quantos dias antes, mas isso não atrapalha a história. Pelo contrário, é até melhor pra fazer com que o leitor desfrute da trama. Talvez ficar em “contagem regressiva” para a morte do protagonista desviaria o interesse do leitor.
O primeiro momento da história mostra Kurt tentando se matar. Em um momento que pode fazer o leitor pensar que a história é de humor negro, Kurt está no banheiro, com um revólver na mão, pensando em várias coisas antes de se dar um tiro. Desde o que vai acontecer com sua mãe, até sobre o gosto da arma. Até que no final, não consegue se matar, e continua sua vida. Ele conhece Tiffany, tem problemas no trabalho, mora sozinho com a mãe divorciada, nunca conheceu o pai, etc. Tudo parece meio clichê, mas o roteirista acertou em não dar ao Kurt uma personalidade de rapaz descolado que sofre bullying. Pelo contrário, Kurt está em paz com sua condição de “rejeitado pela sociedade”, o que dá mais vida pra ele. Ele vive bem sua vida, apesar da vontade de se matar no começo da história.
No decorrer da trama, parece que sua vontade de se matar foi embora. Ele conhece Andy, uma garota com quem parece ter muito em comum (apesar de estar namorando a Tiffany), vai atrás do pai que nunca conheceu (e que provavelmente, o leitor vai concordar com a atitude de Kurt em relação à ele, que, diga-se de passagem, palmas pro roteirista, por mostrar uma decisão que foge dos clichês, e do que a sociedade espera, e julga como “o certo”). E, pra acrescentar mais “ação” à história, Kurt descobre que a polícia pode estar deixando passar um caso de um assassino serial de assistentes sociais.  Agora, Kurt precisa descobrir se ele está certo quanto à isso, e encontrar o assassino, visto que a polícia não tem interesse no caso, e sua mãe é uma assistente social.
Mas ainda tem a questão de Kurt ter que resolver seus problemas com Tiffany e Andy...
Beto Skubs se mostra um ótimo roteirista. Talvez o único “pecado” da revista seja situar a história nos EUA. Mas é algo tão sem importância pra trama, que o leitor só percebe que a história se passa lá devido aos nomes dos personagens. A forma como tudo se desenvolve, os modos de agir de todos os personagens durante a história, é tudo tão fluído e natural, que ela pode acontecer em qualquer lugar do mundo. Incluindo o Brasil. Mas na prática, isso é algo que não faz tanta diferença assim.
O texto é muito bom em sua construção narrativa, nos diálogos que não tentam ser explicativos (coisa rara em qualquer HQ do mundo. Parece que hoje em dia os roteiristas acham que os leitores só entendem a história se o personagem explicar cada passo que dá), e ainda, o que mais me chamou atenção, a forma como as imagens são usadas pra contar a história, mostrando coisas que as palavras não dizem. Há um quadrinho, por exemplo, que mostra que um policial que Kurt conhece já teve (ou tem ) um caso com sua mãe. Kurt não sabe disso, nem dá pistas desse fato. O leitor só fica sabendo se notar com atenção ao quadrinho todo, e ver por uma janela a mãe dele se vestindo, logo após o policial sair de casa.
Um outro grande trunfo está na caracterização de todos os Personagens, em momento algum repetindo os clichês do gênero. São todos tão bem construídos, o que dão uma vivacidade perfeita à eles, que agem como pessoas reais . Nesse quesito, Kurt salva completamente a história, por não se comportar como um adolescente deprimido, emo, ou nerd perseguido pelo mundo. Ele tem personalidade própria, não segue nenhum  tipo de “tribo” dos jovens.
Os desenhos são de Rafael De Latorre, que seguem um estilo limpo, parecendo uma mistura do mangá com americano, com uma pitada de linhas claras. Mais ou menos o estilo que Renato Guedes segue, mas sem copiar nenhum dos desenhistas conhecidos. A minha única ressalva é o fato de a mãe de Kurt parecer muito jovem. Mas aí, eu me lembro que há muitas adolescentes engravidando, e imagino que essa deve ser a proposta da criação visual dela, vai saber. De qualquer forma, nada que atrapalhe a leitura. 
Além do estilo do traço, De Latorre é competente também na diagramação. Ele não se utiliza de recursos “de impacto”, optando por uma diagramação tradicional, e com muitos quadros com pouquíssimos cenários, de acordo com o clima que o enredo transmite na cena. Uma arte que casa perfeitamente com as cores de Marcelo Maiolo (colorista que também trabalha na DC Comics). Essas alternam páginas de cores quentes com frias, de acordo com o tom da trama. Essas mesmas alternâncias servem pra separar os momentos de “devaneios” de Kurt, com os momentos de interação com outras pessoas, ou mesmo os de maior tensão e suspense.
Sobre essas “alternâncias”, o casamento texto/arte é perfeito, e faz com que o leitor imagine cada cena separadamente. A forma como a história é tratada, é como se a cada duas ou quatro páginas, houvesse um “fade” (sem trocadilhos, hehehe) na trama, de modo à situar o leitor em outra cena.
Tudo nessa revista agrada, seja o acabamento gráfico simples, mas competente, a diagramação, o papel, os “extras” da revista, etc. Um bom exemplo de como pode ser uma HQ simples, sem grandes inovações estilísticas. Mas com a preocupação de ter uma bela narrativa.
Ao terminar de ler, tive a impressão de ver uma HQ que usa perfeitamente o conjunto roteiro estruturado, direção segura e precisa, com atores agindo de forma natural, embalado em uma perfeita fotografia, com um ritmo perfeitamente editado. Só faltou uma trilha sonora. Mas sonoplastia, o leitor com certeza vai conseguir imaginar a sua perfeita ao ler essa HQ.

Nenhum comentário:

Postar um comentário